• Vânia Penha-Lopes

"AMOR! EU NÃO SOU ZELADOR. EU SOU CONCIERGE!"



Era o dia 24 de maio de 2017. O ano letivo já terminado, fui comemorar a chegada das férias indo tomar um drinque com uma colega-amiga num restaurante da Penn Station, no retorno de Nova Jérsei. Após nos despedirmos, resolvi ir à Macy’s antes de voltar pra casa. Qual não foi minha surpresa ao avistar, da esquina da 7ª. Avenida com Rua 34, ninguém menos do que Marcus Majella, o ator que conheci como o assistente do Paulo Gustavo em 220 Volts e depois bombou como Ferdinando, o zelador-concierge da pensão da Dona Jô em Vai que Cola. O personagem emplacou tanto que ganhou um programa todo seu, o Ferdinando Show, um talk show ambientado como um saguão de hotel, onde Ferdinando reina com as suas dublagens, suas tiragens e suas entrevistas.


Atravessei a rua e já fui exclamando: “Marcus Majella! Viaaaadooo!” (Note-se bem que “Viado”, pronunciado cheio de vogais, é um dos bordões do Ferdinando. Ele conclama a platéia a dar “uma salva de pinta” pra seus convidados.) Engraçado como a gente diz a uma pessoa famosa o seu próprio nome, como se a pessoa não se conhecesse. O ator, muito simpático, mas também muito mais tímido do que seu personagem, sorriu pra mim: “Oi; tudo bem?” Pedi desculpas por tê-lo abordado. Disse-lhe que, como moro em Nova Iorque há muitos anos, tenho o hábito de deixar famoso(a)s em paz. Porém, completei, “sou super sua fã e tive que tietar; não perco seu programa quando estou no Rio”. Ele só sorria. Fui além e pedi pra tirar uma foto com ele e ele concordou. Perguntei-lhe se podia postar a foto no Face e ele disse que sim. Assim o fiz assim que cheguei à Macy’s. O resultado? Foi o post que mais curtidas recebeu naquele ano, o que comprova a quantidade de fãs que o Marcus Majella/Ferdinando tem.

31 views0 comments

Recent Posts

See All

PARABÉNS PRA CIDADE DO RIO DE JANEIRO!

https://youtu.be/SG2PPuyyitM Hoje, Primeiro de Março de 2021, a Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro completa 456 anos. Ela demonstra sinais de velhice, mais pelo abandono físico e pelos anos de