• Vânia Penha-Lopes

O DEBATE ENTRE VICE-PRESIDENTES EM 2020 É A CARA DOS EUA


Anteontem, 7 de outubro de 2020, grande parte da população dos EUA ficou presa à TV assistindo ao debate entre Mike Pence, o atual vice-presidente, e Kamala Harris, a candidata à vice-presidência pelo Partido Democrata. O debate entra para a história como a primeira vez que uma mulher negra e interétnica tem a clara chance de se tornar presidente, dada a obrigação, prevista na Constituição dos EUA, de vice-presidentes assumirem o posto de chefia caso os presidentes necessitem se ausentar por qualquer motivo.


A senadora Kamala Harris, natural da Califórnia, é afro-indiana, filha que é de mãe indiana e pai jamaicano, os quais se conheceram na pós-graduação nos EUA, se apaixonaram, se casaram e tiveram duas filhas. Li ontem na coluna da Sabrina Tavernise no New York Times que, após o divórcio, a mãe de Kamala resolveu criar as filhas como negras, pois sabia que era assim que a sociedade as veria. E ela estava certa. Kamala nasceu em 1964, quando o casamento interracial ainda era proibido em mais de 15 estados americanos. A lei dizia que filho (e neto, bisneto e trineto) de negro, negro é (lei da hipo-ancestralidade). Embora a Suprema Corte tenha decidido em 1967 que escolher com quem se casar independente da raça é um direito constitucional ao dar ganho de causa ao tão poeticamente chamado casal Loving contra o estado de Virgínia, até hoje ainda há, tanto entre os brancos quanto entre os negros, quem negue às pessoas “birraciais” o direito de se identificarem como tal. Kamala Harris se identifica com seus dois lados e se auto-intitulou “uma mulher de cor” durante o debate. Seguidamente interrompida pelo vice-presidente Pence, Harris o encarava e proferia, com um sorriso seguro: “Senhor vice-presidente, eu estou falando. Estou falando, ok?” Findo o debate, comentaristas notaram que qualquer pessoa que já teve contato com uma mãe negra confrontou a expressão de Kamala Harris ao se dirigir ao vice-presidente.


Kamala Harris passa uma imagem de auto-confiança, inteligência e simpatia. Ela fala bem – com frases completas e que fazem sentido, uma raridade hoje em dia. Uma versão feminina do Obama? De jeito nenhum; Kamala Harris é, como se diz em inglês, “sua própria pessoa” (her own person). Ainda assim, não posso deixar de sublinhar que a sua candidatura à vice-presidência ocorre após as duas presidências de Barack Obama, que foram erroneamente apontadas como prova de que os EUA eram “pós-raciais” para depois serem seguidas de uma presidência que enfatizou a branquitude em detrimento das minorias negras, latinas e islâmicas; conflitos raciais em 2017 e 2020, por exemplo, em muito lembraram os infames ataques a negro(a)s e a branco(a)s simpatizantes 60 anos atrás. Obama é filho de um imigrante queniano e uma branca americana; Harris é filha de imigrantes não-brancos. Embora os brancos continuem a ser a maioria, a abertura das fronteiras em 1965 após 40 anos de restrições e a já mencionada mudança na lei sobre casamentos interraciais resultaram em uma mudança na cor da população dos EUA cada vez mais perceptível. Desse modo, o debate de anteontem é a cara dos EUA atuais.

54 views0 comments

Recent Posts

See All

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo as

In the early 20th century, more precisely on February 12, 1909, the National Association for the Advancement of Colored People was born with the goal of combating the legal racial discrimination in vo

Nos primórdios do século passado, mais precisamente em 12 de fevereiro de 1909, nascia a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (National Association for the Advancement of Colored Peopl