• Vânia Penha-Lopes

PARA O MÊS DAS MULHERES



Ser feminista significa, a princípio, estar cônscia(o) do verdadeiro papel da mulher na sociedade. Digo “a princípio” porque sei que isto não é tão fácil de se entender e admitir, uma vez que a maneira como as mulheres vêm sendo tratadas desde os tempos mais remotos em nada tem relação com algo justo e correto.


Exceto as organizações matriarcais, todas as outras acostumaram-se a visualizar a mulher como um ser inferior, de um ponto de vista bastante paradoxal, já que este mesmo ser é elevado à categoria de santa quando exerce seu papel de fêmea (procriação); neste caso, a “feminilidade” encontra sua exacerbação. Numa concepção maniqueísta tão própria a essas sociedades, a feminilidade é uma série de conceitos que definem “a mulher” e, é claro, opõem-se radicalmente a seu correspondente masculino. Neste caso, ligam-se à figura da mulher certos atributos socialmente dados mas que, estando há tanto tempo em vigor, são aceitos como naturais: seriam estes a capacidade de renúncia e resignação, a doçura, a fragilidade, e isto evolui para o serviço caseiro (que é “trabalho de mulher”), a dependência a um homem etc. Há uma palavra muito empregada para qualificar a atitude da mulher numa relação sexual, mas que resume toda uma situação: PASSIVIDADE. A mulher recebe as ordens do pai, espera ser deflorada, é “comida”, ou seja, nunca se vê numa posição de agente. E, como todos costumam dizer, principalmente a mãe que vê com temor sua filha ir se liberando (a mãe não vê isto como um processo global, mas como mudanças abruptas e loucas), “este tem sido o papel da mulher desde antes da minha bisavó”. E isto é um modo muito democrático de se resolver a questão, não acham?


Toda a sociedade precisa reaprender a existir. Nisto incluo o homem, é claro. O homem tem que acompanhar de perto as vitórias, não para “ajudar as mulheres”, mas para não dançar. Sim, porque a nova mulher está em busca do novo homem, que possa ser, junto com ela, uma mistura de tudo de bom que foi atribuído a homem e mulher: doçura sim, força sim, vontade de vencer sim, sensibilidade sim, mas para os dois. Em partes iguais.


Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 1981.

Foto de Sandra Tosta Faillace.

26 views0 comments

Recent Posts

See All

'Cor da pele não dá lugar de fala a ninguém', diz professora nos EUA - 15/10/2022 - UOL TAB Reproduzo abaixo a entrevista que concedi à jornalista Daniela Pinheiro, que foi publicada hoje no site do U

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo as

In the early 20th century, more precisely on February 12, 1909, the National Association for the Advancement of Colored People was born with the goal of combating the legal racial discrimination in vo