• Vânia Penha-Lopes

Viena, 16 de Julho de 2012 às 22:58 h

Respeitável público, tenho histórias pra vocês hoje que que são verdadeiras jóias!


Fomos à Universidade de Viena hoje de manhã pegar nossas credenciais pro congresso. A Márcia recebeu um convite para um coquetel, mas eu não. Acabou que eu não tinha me inscrito para o evento. Um colega me falou que tinha um convite a mais, mas estava enganado. Fiquei super a fim de ir ao coquetel porque, por um lado, estou cansada do uniforme de turista (jeans e tênis) e procurando toda oportunidade pra usar uma roupitcha mais formal; por outro lado, como a Márcia observou, adoro esses eventos. O pessoal da organização do congresso me garantiu que ninguém entraria sem convite; eu teria de voltar à tarde e ver se havia desistências.


Nesse meio tempo, eu e Márcia fizemos um city tour. Viena é pequena e lindinha, mas tem um monte de museus, alguns enormes. Voltamos pra universidade pra ir almoçar com o Reginaldo, mas a mesa dele demorou mais. Acabamos almoçando num típico restaurante austríaco, com um nome impronunciável (escrevi na minha agenda, mas deixei-a no quarto) e uma comida maravilhosa. A culinária austríaca é excelente! Só vou descrever a sobremesa: uma bola de sorvete de creme recheado de molho de damasco (mmmmm...) e coberta por lascas de avelã (mmmmm!!!!). De quebra, a Márcia resolveu não ir ao coquetel e me passou o seu convite. Beleza!


De la, fomos ao Museu do Freud. Não sabia que ele tinha nascido na Morávia; a Áustria era sua pátria de adoção. O museu fica na casa que ele ocupou. Tirei foto do divã dele. Tinha várias fotos, inclusive do Freud menino, tão sério e compenetrado, com um comentário dele já adulto dizendo que tinha nascido velho; é claro que me identifiquei com isso.


Estávamos esgotados depois dessa visita. Voltamos ao hotel, onde me preparei pro coquetel. Acabou que eles admitiram gente sem convite! A festa foi na prefeitura de Viena, num prédio e jardins lindos.


Às 23h, resolvi cantar pra subir e perguntei como era a situação de táxi. O policial no portão me falou pra pegar qualquer um. Peguei o primeiro que passou. E aí começou minha aventura linguística.


Vamos combinar que a Áustria é o primeiro país que visito cuja língua não tenho a menor condição de usar. As pessoas aqui são muito corretas, solícitas e a maioria fala inglês. Saí do hotel sem levar o endereço e o motorista não sabia onde ficava. E mais, ele não falava inglês! O engraçado é que estávamos nos comunicando sem perceber que ele falava alemão e eu, inglês. Enfim, o inglês é uma língua germânica. E o inglês de NYC tem ainda mais influência germânica por causa do iídiche. Quando ele achou o endereço do hotel num livro e disse que era no nono distrito e não no 17°., como havia falado antes, ele pronunciou "nine" como um nova-iorquino (pensem na pronúncia do Woody Allen). Até agora não entendi como a gente se comunicou, mas falamos de futebol, do Brasil e dos EUA. E depois ele me ensinou a dizer "boa noite" em alemão. Deve ter sido um milagre de turista.


Então, "Gutten nacht" pra vocês!

1 view0 comments

Recent Posts

See All

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo as

In the early 20th century, more precisely on February 12, 1909, the National Association for the Advancement of Colored People was born with the goal of combating the legal racial discrimination in vo

Nos primórdios do século passado, mais precisamente em 12 de fevereiro de 1909, nascia a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (National Association for the Advancement of Colored Peopl