• Vânia Penha-Lopes

Viena, 19 de julho de 2012 às 2:04h

Aqui já é amanhã (quinta-feira). Acabei de secar o cabelo e usar o babyliss, cortesia da Marcia (o adaptador dela funcionava com aparelho americano!), e ainda tenho de fazer a mala, mas quis relatar pra vocês o que ocorreu no jantar.


Pegamos o "tram" até a rua onde fica o Museu de Freud e nos dirigimos a um restaurante simpático na esquina. O garçom era um negro alto parecidíssimo com um ator americano. Nós três rimos muito durante o jantar, felizes de termos cumprido a missão que nos trouxe a Viena. Aliás, como brasileiro ri! Não diria que os austríacos são antipáticos; eles são corretos e corteses, mas eles não riem à toa como nós.


Pedi um sekt, o espumante tcheco, que não tomava desde 2003. Pedi também uma omelete com salada sem nenhum queijo, mas ela veio com queijo e o garçom levou-a de volta. A comida estava ótima, como era de se esperar em Viena.


Há poucos negros aqui, certamente muito menos que em Paris. Então, ficamos imaginando a nacionalidade do garçom e, na hora de irmos embora, perguntamos a ele. Em inglês, ele disse que era brasileiro. Ah, como não havia falado com a gente antes em português? Ele disse que hesitou porque, na Áustria, não é comum garçom ficar de conversa com cliente, que é preciso manter uma certa distância. Com efeito, depois de vários minutos conversando e rindo, uma garçonete veio falar com ele que o tempo estava passando. Comentei que, embora ela tivesse feito sinal de que estava brincando, ela não estava; ele concordou.


Não vou dar o nome do conterrâneo porque a gente sabe que o Face é público e quero proteger sua unanimidade. Ele já mora aqui há mais de 20 anos, tem uma vida aqui, mas continua se sentindo brasileiro e não se naturaliza austríaco; entendi perfeitamente, é claro. Ele, que fala alemão e inglês fluentemente, explicou pra nós que dominar o inglês é uma progressão contínua, enquanto que dominar o alemão é caracterizado por um processo de progresso e um bom tempo num patamar.


Falamos que achamos Viena muito certinha, provinciana, e ele concordou. Ele, que é paulistano, comparou Viena a "uma Itu chique", o que achamos hilário. Ele também disse que Berlim é totalmente diferente, muito mais movimentada.


Foi uma conversa muito agradável e totalmente inesperada. Viajar é que nem viver: a gente pode programar as coisas, mas nunca sabe ao certo quem vai encontrar na próxima esquina.


Agora, vou subir e fazer minha mala, pois quem tenho certeza de que não encontrei ainda é um valete pra fazer isso pra mim.

1 view0 comments

Recent Posts

See All

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo as

In the early 20th century, more precisely on February 12, 1909, the National Association for the Advancement of Colored People was born with the goal of combating the legal racial discrimination in vo

Nos primórdios do século passado, mais precisamente em 12 de fevereiro de 1909, nascia a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (National Association for the Advancement of Colored Peopl