• Vânia Penha-Lopes

VINÍCIUS Jr. E OS EUGENISTAS DE PLANTÃO

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube


Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo assistir a Botafogo x Vasco. A ida era significativa não só porque, como uma botafoguense expatriada, aproveito minhas estadas na minha cidade-natal para torcer pelo meu time, mas também porque o Romário, que à época jogava no Vasco, havia prometido marcar seu milésimo gol em cima da gente. Além de não ter marcado o gol, o Vasco ainda perdeu.

Essa memória seria melhor ainda se não fosse acompanhada de outra bastante desagradável. A um certo momento, o juiz marcou uma falta contra o Botafogo, comportamento que nós torcedores condenamos imediatamente. Eis que ouço uma voz feminina e jovem bem atrás de mim proferir: "Só podia ser preto!" Ato contínuo, virei-me em direção à voz. Ela tinha vindo de uma moça branca, sentada na arquibancada imediatamente acima de mim, junto com um rapaz também branco. Eu a fitei com um olhar fixo, o que fez o rapaz, claramente envergonhado, admoestá-la, dizendo algo como “Fulana, pra que você foi dizer isso?”; ela nunca olhou pra mim e nem disse mais nada. Continuei a encará-la, sem nada dizer, até o casal mudar de lugar.

Nos quinze anos desde então, temos visto muitos casos de racismo no futebol. No Brasil, a gremista que chamou o goleiro Aranha de "macaco" foi identificada e subseqüentemente banida dos estádios. Uma flamenguista que postou uma foto com o Vinícius Jr. leu o comentário "Dois macacos" na sua rede social. Na Europa, jogaram uma banana na direção do Daniel Alves no gramado; ele a pegou e a comeu, desafiando a alusão do gesto. Na Argentina e no Chile, torcedores locais imitaram macacos ao se dirigirem aos flamenguistas que haviam viajado até lá para assistir a jogos de competições sul-americanas. De nenhuma forma essa lista é completa, pois os incidentes de racismo no futebol têm aumentado ultimamente.

Em 15 de setembro de 2022, já como craque do Real Madrid e da Seleção, Vinícius Jr. foi novamente alvo do pernicioso racismo. Num programa de TV, o empresário espanhol Pedro Bravo demonstrou sua irritação com as dancinhas que o jogador faz para comemorar seus gols: ele as acha falta de respeito, pois os gramados espanhóis não são "sambódromos". Não satisfeito, sugeriu que o brasileiro pare de "se fazer de macaco".


Como tudo o que acontece atualmente viraliza numa questão de horas, o comentário virou notícia global. E como é de praxe atualmente pra quem é pegado com a boca na botija, o Sr. Bravo tratou de se desculpar e insistir que não quis ofender ninguém. Será que não mesmo? Será que ele convenceu alguém?


Ao meu ver, ele ofendeu Vinícius Jr. duplamente: com racismo e com xenofobia. Xingar os negros de "macacos" é mais velho que os meus avós. Quando o movimento eugenista se popularizou nos EUA, na Europa e no Brasil com sua espúria ciência que "explicava" a inferioridade racial, os não-brancos eram sempre relegados à condição de "primitivos", mas os negros em particular eram igualados aos macacos; nas exposições universais da virada para o século XX, negros africanos e outros povos do Pacífico até foram expostos em jaulas. Essa insistência em categorizar os negros como os mais próximos dos outros primatas ilustra a idéia que não evoluímos como os outros seres humanos, o que era uma justificativa para a manutenção da escravidão no século XIX e para a negação de direitos civis aos seus descendentes até hoje.


Mandar o Vinícius Jr. ir dançar no sambódromo é um desejo xenofóbico. Como ousa o sul-americano -- ainda mais negro -- comemorar suas vitórias na terra dos colonizadores? É fato que os espanhóis não nos colonizaram, mas somos uma ex-colônia portuguesa e Portugal caiu sob o domínio espanhol durante décadas, de modo que fomos súditos da coroa espanhola por tabela. O Brasil é visto como a terra do samba. Então, que o samba se restrinja às nossas terras; ai daqueles que levam aquela dança para gramados europeus!


Além disso, na lógica eugenista, a dança solta – principalmente a que se baseia nos movimentos dos quadris – é mais uma prova do “primitivismo”. Segundo essa lógica, usar bem o corpo é sinal de sensualidade e de falta de capacidade intelectual, pois é simplesmente “natural”. O absurdo dessa lógica racista é presumir que o cérebro fica inativo enquanto se usa o corpo. É assim que muitos pensam quando enaltecem as qualidades cinéticas dos negros e ignoram seus êxitos mentais. E como, em várias partes do mundo, o povo brasileiro é classificado como não-branco, mandar o Vinícius Jr. ir dançar no sambódromo combina o racismo com a xenofobia.


A ofensa a Vinícius Jr. é mais uma a ilustrar o fato que, longe de ser "mimimi" ou "vitimismo", o racismo continua vivo e atuante. Porém, a reação dele demonstra que o combate ao racismo continuará, com atitudes, palavras e movimentos corporais (inclusive dançando). Aos eugenistas de plantão, resta se acostumarem com isso ou então se afastarem (pois "os incomodados que se mudem"), calarem-se (pois "em boca fechada não entra mosca") ou tratarem da sua raiva "tirando as calças pela cabeça". Já o Vinícius Jr. vai continuar fazendo gols, dançando, ganhando muito bem e sendo feliz.

30 views0 comments

Recent Posts

See All

In the early 20th century, more precisely on February 12, 1909, the National Association for the Advancement of Colored People was born with the goal of combating the legal racial discrimination in vo

Nos primórdios do século passado, mais precisamente em 12 de fevereiro de 1909, nascia a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (National Association for the Advancement of Colored Peopl