top of page
  • Writer's pictureVânia Penha-Lopes

"A MARCHA EM WASHINGTON"



A crônica abaixo é de 28 de agosto de 2013, quando do cinquentenário da famosa passeata que projetou o movimento pelos direitos civis dos negros para o mundo. Curiosamente, a passeata ocorreu no dia seguinte à morte do grande sociólogo e ativista W. E. B. Du Bois, aos 95 anos.


Sete anos depois do cinquentenário, neste ano de mortes sistemáticas de negros pelas mãos da polícia, é necessário reviver aquele evento para se lembrar que, apesar das mudanças legislativas de 1964, 1965 e 1968, os negros estadunidenses ainda não alcançaram o pleno direito à vida. Como temos notado nos casos de Eric Garner em 2014, Muhammed Muhaymi em 2017 e George Floyd em 2020, nem a condição vital mais básica, que é respirar, lhes é garantida.


Hoje é dia de se celebrar a coragem dos organizadores da demonstração de 1963--não só o decantado, Rev. Dr. Martin Luther King, Jr., mas Bayard Rustin, que a concebeu, e A. Philip Randolph, que passou o bastão de liderança para o Dr. King após décadas de uma incansada luta para que o país reconhecesse os negros e as negras como seres humanos. Hoje é dia de se refletir sobre o muito que ainda precisar melhorar.


******************************


Hoje é o cinquentenário da "Marcha em Washington". A maioiria das pessoas hoje em dia parecem se lembrar do discurso do Rev. Dr. King que ficou conhecido como "I Have a Dream" (Tenho um Sonho) apenas para distorcer o significado do trecho sobre "o conteúdo do nosso caráter". Bem menos pessoas alguma vez ouviram que A. Philip Randolph foi quem teve a idéia da marcha e havia ameaçado o então presidente, Franklin D. Roosevelt, de realizá-la vinte anos antes, caso o governo federal continuasse a recusar o mínimo de condições de trabalhos à população negra.

33 views0 comments

Recent Posts

See All

1964, 60 ANOS DEPOIS

Que imagem postar sobre os 60 anos do Golpe de 1964? Uma foto das várias passeatas de estudantes contra o novo regime? Uma outra em que eles apanham da polícia? A foto das artistas na passeata contra

"SER NEGRO, AQUI E LÁ"

"Recordar é viver": Em 2008, a jornalista Flávia Tavares me entrevistou para um artigo publicado no Estadão sobre como brasileiros que moram nos EUA vêem a questão do racismo aqui e no Brasil. Forneço

Comments


bottom of page