• Vânia Penha-Lopes

"AOS JOVENS RICOS, BENEVOLÊNCIA. AOS POBRES, PELOURINHO E BALA..."



A crônica abaixo é a minha reação a um texto de Leonardo Sakamoto de 31 de outubro de 2014 sobre a prisão de uma gang de rapazes de classe média alta.


**********


Se isto for verdade, não me espanta, mas fico feliz com a divulgação. Ser branco de classe média, tanto no Brasil como nos EUA, isenta um infrator do estigma a priori. Por exemplo, é muito comum garoto dessa classe passar o dia fumando maconha em casa, incapaz de levantar um dedo pra fazer a própria cama, mas não pega nada pra ele porque a polícia não vai invadir a casa dele chamando-o de "vagabundo" e batendo na mãe dele. Gangues de "filhinhos de papai" tocam fogo em índio em banco de praça, dão surra em empregada doméstica no ponto de ônibus e até matam menores (R.I.P., Araceli) e nem assim perdem seus privilégios, provando que a Justiça não tem nada de cega. Isso me revolta.

10 views0 comments

Recent Posts

See All

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo as

In the early 20th century, more precisely on February 12, 1909, the National Association for the Advancement of Colored People was born with the goal of combating the legal racial discrimination in vo

Nos primórdios do século passado, mais precisamente em 12 de fevereiro de 1909, nascia a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (National Association for the Advancement of Colored Peopl