top of page
  • Vânia Penha-Lopes

"AOS JOVENS RICOS, BENEVOLÊNCIA. AOS POBRES, PELOURINHO E BALA..."



A crônica abaixo é a minha reação a um texto de Leonardo Sakamoto de 31 de outubro de 2014 sobre a prisão de uma gang de rapazes de classe média alta.


**********


Se isto for verdade, não me espanta, mas fico feliz com a divulgação. Ser branco de classe média, tanto no Brasil como nos EUA, isenta um infrator do estigma a priori. Por exemplo, é muito comum garoto dessa classe passar o dia fumando maconha em casa, incapaz de levantar um dedo pra fazer a própria cama, mas não pega nada pra ele porque a polícia não vai invadir a casa dele chamando-o de "vagabundo" e batendo na mãe dele. Gangues de "filhinhos de papai" tocam fogo em índio em banco de praça, dão surra em empregada doméstica no ponto de ônibus e até matam menores (R.I.P., Araceli) e nem assim perdem seus privilégios, provando que a Justiça não tem nada de cega. Isso me revolta.

10 views0 comments

Recent Posts

See All

'Cor da pele não dá lugar de fala a ninguém', diz professora nos EUA - 15/10/2022 - UOL TAB Reproduzo abaixo a entrevista que concedi à jornalista Daniela Pinheiro, que foi publicada hoje no site do U

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo as

bottom of page