• Vânia Penha-Lopes

RACISMO LÁ E CÁ: RIO E TEXAS



A crônica abaixo é de 18 de março de 2014. Seis anos depois, assassinatos de negros e negras no Brasil e nos EUA persistem, não obstante a tremenda revolta que eles causam em ambos os países.


**********


Em tempo: o caso da Claudia Silva Ferreira, mãe de família de 38 anos, moradora de Madureira, que foi baleada, jogada no camburão e arrastada rua afora a ponto de as pernas dela terem ficado em carne viva e morta, é infeliz e revoltosamente parecido demais com o caso do James Byrd, Jr. (2/5/1949 – 7/6/1998), o negro texano que, anos atrás, mas num passado recente, foi amarrado ao para-choque de uma caminhonete e arrastado até a morte. A diferença é que o Sr. Byrd foi morto por indivíduos racistas a fim de linchar o primeiro negro que aparecesse na frente deles, enquanto que a Sra. Claudia foi morta pela PM. Isso é terrorismo de estado, tal qual era praticado nos EUA livre e impunemente durante o período de segregação racial legal (1896-1954). Como mudar esses quadros?

24 views0 comments

Recent Posts

See All

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo as

In the early 20th century, more precisely on February 12, 1909, the National Association for the Advancement of Colored People was born with the goal of combating the legal racial discrimination in vo

Nos primórdios do século passado, mais precisamente em 12 de fevereiro de 1909, nascia a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (National Association for the Advancement of Colored Peopl