top of page
  • Writer's pictureVânia Penha-Lopes

RACISMO LÁ E CÁ: RIO E TEXAS



A crônica abaixo é de 18 de março de 2014. Seis anos depois, assassinatos de negros e negras no Brasil e nos EUA persistem, não obstante a tremenda revolta que eles causam em ambos os países.


**********


Em tempo: o caso da Claudia Silva Ferreira, mãe de família de 38 anos, moradora de Madureira, que foi baleada, jogada no camburão e arrastada rua afora a ponto de as pernas dela terem ficado em carne viva e morta, é infeliz e revoltosamente parecido demais com o caso do James Byrd, Jr. (2/5/1949 – 7/6/1998), o negro texano que, anos atrás, mas num passado recente, foi amarrado ao para-choque de uma caminhonete e arrastado até a morte. A diferença é que o Sr. Byrd foi morto por indivíduos racistas a fim de linchar o primeiro negro que aparecesse na frente deles, enquanto que a Sra. Claudia foi morta pela PM. Isso é terrorismo de estado, tal qual era praticado nos EUA livre e impunemente durante o período de segregação racial legal (1896-1954). Como mudar esses quadros?

24 views0 comments

Recent Posts

See All

1964, 60 ANOS DEPOIS

Que imagem postar sobre os 60 anos do Golpe de 1964? Uma foto das várias passeatas de estudantes contra o novo regime? Uma outra em que eles apanham da polícia? A foto das artistas na passeata contra

"SER NEGRO, AQUI E LÁ"

"Recordar é viver": Em 2008, a jornalista Flávia Tavares me entrevistou para um artigo publicado no Estadão sobre como brasileiros que moram nos EUA vêem a questão do racismo aqui e no Brasil. Forneço

Comments


bottom of page