• Vânia Penha-Lopes

20 DE NOVEMBRO: DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA SIM

Updated: Dec 5, 2020




Publico novamente a crônica abaixo, originalmente intitulada "'Valeu, Zumbi!'", que escrevi em 20 de novembro de 2013 e a Afropress publicou no dia seguinte. Sete anos depois, a data continua sendo contestada, com argumentos que vão desde considerá-la desnecessária porque "só existe a raça humana" a xingar a figura histórica que inspirou a data. Como demonstro abaixo, discordo desses argumentos.


******


Na última semana apareceu uma espécie de protesto contra o dia de hoje, 20 de novembro, Dia da Consciência Negra: este dia seria desnecessário, pois precisaríamos de 365 dias da consciência humana. Como negra, cientista social e pesquisadora de relações raciais, discordo plenamente.


Pra começar, o tal protesto implicitamente sugere que comemorar a consciência negra por um dia é racista, já que somos todos “humanos”. Isso seria muito bonitinho se fosse levado à risca; só que não é.

Calcula-se que dez milhões de africanos migraram à força para as Américas pra trabalhar de graça entre o século XV e o século XIX. A maioria deles—em torno de 4 milhões—foram para o Brasil, o último país das Américas a abolir a escravidão, em 1888.

A escravidão foi um sistema econômico extremamente eficaz para a colonização das Américas e para enriquecer os traficantes e donos de escravos. A acumulação de riqueza nas costas, nos braços, nas pernas e nas cabeças dos escravos permitiu o florescimento do capitalismo mundialmente. Aos escravos, nada além de suícidio, açoites, terrorismo, humilhação e pobreza.

É errado pensar que os africanos foram escolhidos por terem a pele negra, mas é verdade que uma ideologia de inferioridade foi desenvolvida a posteriori para mantê-los na condição de escravos. Simplesmente falando, os escravos não eram considerados humanos, mas bestas de carga. Desumanizá-los permitiu todas as atrocidades que caracterizaram o regime de escravidão e mais, impedir a sua completa e igual inserção na sociedade uma vez libertos. É fato que, até hoje, seus descendentes são passíveis de tratamento desigual a qualquer momento em qualquer das sociedades outrora escravocratas justamente por serem negros, vide as estatísticas gritantes sobre assassinatos de negros que continuam impunes.


O nome disso é racismo. Os “brancos brasileiros”, ou seja, aqueles que costumavam esconder as fotografias das avós mais escuras mas adoram enaltecer a "cultura brasileira" (i.e., samba, mulatas e feijoada) perante os estrangeiros, eram fãs de dizer que “não existe isso no Brasil”. O interessante é que a maioria dos brasileiros só começou a admitir sua afro-ascendência quando as políticas de ação afirmativa tornaram ser negro vantajoso pela primeira vez na nossa história.

É muito conveniente para alguns ignorar a persistência do racismo, como se trazê-lo à baila o exacerbaria. Pelo contrário, é o silêncio que permite a sua persistência. Portanto, temos mais é que enaltecer Zumbi, João Cândido, Luiz Gama e tantos outros de quem nunca ouvimos falar num dia do ano sim. Quando todos os seres humanos reconhecerem a sua humanidade, talvez então possamos celebrar “365 dias de consciência humana”. Até lá (e eu não sei quando será), isso é conversa pra boi dormir.

108 views0 comments

Recent Posts

See All

(486) VINICIUS JÚNIOR FOI CHAMADO DE “MACACO” POR DANÇAR EM COMEMORAÇÕES | Entenda tudo! - YouTube Em 2007, quando estava no Rio fazendo meu pós-doutorado, fui com uma amiga ao Maracanã num domingo as

In the early 20th century, more precisely on February 12, 1909, the National Association for the Advancement of Colored People was born with the goal of combating the legal racial discrimination in vo

Nos primórdios do século passado, mais precisamente em 12 de fevereiro de 1909, nascia a Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (National Association for the Advancement of Colored Peopl