• Vânia Penha-Lopes

ISABEL ALLENDE



Ontem à noite, tive o privilégio de assistir ao vivo a uma entrevista da Isabel Allende. Chovia copiosamente e eu quase desisti de ir, mas falei pra mim mesma que, se eu posso ir trabalhar com chuva, também posso me divertir com ela.

Isabel Allende é generosa, espirituosa e tem um senso de humor bem aguçado. A entrevistadora, Amy Goodman, fez um belo trabalho, demonstrando que fazer as perguntas certas não é pra qualquer um.

Aprecio esses encontros porque gosto de ouvir escritores dissertarem sobre o seu processo criativo. A Isabel Allende foi tão explícita que anotei algumas de suas respostas verbatim:

1. Sobre porque ela sempre tem uma data certa pra começar um livro e se dedica quase todo o dia inteiro, todos os dias, até terminá-lo: “Escrever é um tremendo compromisso! É como se apaixonar. Se eu não tivesse uma data pra começar, ficaria enrolando pra sempre.”

2. Sobre como ela se sente quando um livro acaba: “Pra mim, meus livros são como sementes na minha barriga. Algumas delas germinam e começam a me perturbar, então tenho que molhá-las para se desenvolverem. Cada livro é uma entidade em si.”

3. Sobre a diferença entre literatura de ficção e a baseada em fatos: “A ficção se escreve na barriga, não no cérebro.”

Na fila de autógrafos, comecei a bater papo com uma moça que estava atrás de mim, que me pediu pra tirar uma foto dela com a escritora quando chegasse a sua vez. Ela se ofereceu pra fazer o mesmo pra mim. Então eu, que nem tinha pensado em levar máquina, acabei com duas recordações fotográficas. A primeira foto captou o momento em que Isabel Allende me agradeceu pela presença, eu a agradeci de volta e ela me perguntou meu nome. A segunda foto foi resultado de a moça ter me chamado. Virei-me pra ela sorrindo. Ela pediu mil desculpas por essa foto ter saído tremida, mas eu nem me importei; era “cavalo dado”!


Originalmente publicado no Facebook em 16 de abril de 2014.




11 views0 comments

Recent Posts

See All

De volta pra NYC, ouvi uma respiração tão ofegante que pensei tratar-se de um cachorro. Era um rapaz que anunciou ter perdido a carteira, preta e da marca Coach, na fileira oposta à minha. As pessoas

https://youtu.be/SG2PPuyyitM Hoje, Primeiro de Março de 2021, a Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro completa 456 anos. Ela demonstra sinais de velhice, mais pelo abandono físico e pelos anos de